quinta, 23 de maio de 2024
Facebook Instagram Twitter Youtube TikTok E-mail
48 3191-0403
Geral
18/05/2019 17h15

No país: Mãe doa parte do intestino para salvar vida da filha em cirurgia inédita

Uma mãe doou parte do intestino delgado para a filha com Síndrome do Intestino Curto, condição decorrente da Artresia de Cólon, uma malformação ou ausência de parte do intestino delgado.
No país: Mãe doa parte do intestino para salvar vida da filha em cirurgia inédita
Uma mãe doou parte do intestino delgado para a filha com Síndrome do Intestino Curto, condição decorrente da Artresia de Cólon, uma malformação ou ausência de parte do intestino delgado. Inédito no Brasil, o transplante foi realizado pela equipe médica do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, e durou cerca de 12 horas. Serena nasceu em 2016 e foi submetida a sua primeira cirurgia com apenas três dias de vida. A mãe de Serena, Priscila Carvalho, imaginava que logo após a cirurgia a filha teria alta e poderia ir pra casa. Porém, vinte dias depois, Serena foi submetida a uma segunda cirurgia, perdendo 60 cm do intestino delgado, responsável pela absorção do alimento, devido a uma infecção no local. Uma semana e meia depois, Serena teve complicações e precisou retornar ao centro cirúrgico, no Hospital de Clínicas da Unicamp, em Campinas, no interior de São Paulo. Após a terceira, vieram a quarta, a quinta, a sexta, a sétima e a oitava cirurgia. Nenhuma delas foi capaz de reconstruir o intestino da pequena, pelo contrário. A cada cirurgia, Serena perdia alguns centímetros do seu intestino delgado, ficando com apenas 5 cm ao final das oito cirurgias. Além de ter pedido metade do intestino grosso, responsável pela digestão do alimento e evacuação. “Nos primeiros seis meses, a Serena já tinha feito oito cirurgias de intestino. Na última, o cirurgião disse que não tinha mais o que fazer. Ela não tinha intestino para comer e sobreviver”, disse Priscila em conversa com o Razões. Como não podia se alimentar por via oral, Serena recebia nutrição na veia, também conhecida como nutrição parenteral. O problema é que, quando usada por muito tempo, pode comprometer o funcionamento de órgãos como o fígado e o rim. Sabendo disso, Priscila foi atrás de uma solução mais rápida: o transplante de intestino. “No momento em que a gente descobre a doença, só queremos que as coisas melhorem. E não saber que existe tratamento no seu país é desesperador.” Campanha Vendo o sofrimento da filha, Priscila e o pai de Serena, Marcelo de Sousa Campos, decidiram criar uma campanha para arrecadar recursos e poder custear o transplante de Serena no exterior. Ela soube que existia essa possibilidade através da Simone Rosito, fundadora do Instituto Pequenos Grandes Guerreiros, que oferece assistência psicológica a famílias de bebês diagnosticados com Enterocolite Necrosante, uma doença que pode ocasionar a Síndrome do Intestino Curto. Priscila enviou um e-mail ao cirurgião que já havia realizado transplantes de intestino com sucesso pedindo orientações. Ela não teve o retorno desejado, mas conseguiu o contato dos cirurgiões João Seda e Paulo ChapChap, do Hospital Sírio-Libanês. Dali alguns meses, os dois cirurgiões fariam o transplante de intestino em Serena. Reabilitação intestinal Primeiro, encaminharam Serena para o centro de reabilitação intestinal do Hospital Municipal Infantil Menino Jesus. O hospital possui um convênio com o Sírio-Libanês e acolheu Serena com uma equipe multidisciplinar. Pra melhorar a qualidade de vida de Serena, os médicos também ofereceram um treinamento à Priscila para a desospitalização da pequena, visando uma internação domiciliar. Serena foi cadastrada no Sistema Nacional de Transplantes. Sem conseguir um doador, os médicos contaram à Priscila sobre a possibilidade dela ser a doadora. Pra quem não pensava em outra coisa a não ser salvar a vida da filha, Priscila topou fazer os exames necessários e também parou de fumar para estar apta a doar mais de 1 m do seu intestino delgado à Serena. 12 horas de cirurgia O transplante aconteceu no dia 20 de fevereiro, no Sírio-Libanês, chefiado pelos cirurgiões João Seda, Paulo ChapChap e Rodrigo Vincenzi. No mesmo dia do aniversário de 3 anos de Serena! Priscila doou 1 m e 60 cm do seu intestino delgado para a reconstrução do intestino de Serena. Esse é o primeiro transplante de intestino no país envolvendo um doador vivo! Priscila recebeu alta cinco dias após o transplante, se revezando com Marcelo no acompanhamento da filha no hospital. A menina teve alta na última quinta-feira, dia 9. Serena já consegue se alimentar por via oral e a comida que ela mais gosta é macarrão: também adoro! “Mas tudo muito bem equilibrado, sem gordura, com apanhamento da nutricionista. Ela também toma uma série de medicamentos e faz reposição de vitaminas”, conta Priscila. Por fim, a mãe fez questão de destacar a atenção que os médicos dão para Serena no pós-operatório. “São muito atenciosos, falo com eles diariamente. E tudo o que é feito pela Serena é através da filantropia do Sírio. Isso é muito legal!”, agradece Priscila. Fonte: Razões para Acreditar
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

HC Notícias
48 3191-0403
48 9 8806-3734
Rua Altamiro Guimarães, 50
88701-300 - Centro - Tubarão/SC
Hora Certa Notícias © 2019. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.