sexta, 04 de dezembro de 2020
Facebook Instagram Twitter Youtube E-mail
48 3191-0403
Tubarão
25 ºC 20 ºC
Segurança
19/10/2020 23h21

Internacional: Condenada por matar grávida e roubar bebê será primeira mulher executada em quase 70 anos

Departamento de Justiça anunciou que Lisa Montgomery receberá injeção letal em 8 de dezembro
Internacional: Condenada por matar grávida e roubar bebê será primeira mulher executada em quase 70 anos
Pela primeira vez em quase 70 anos, os Estados Unidos executarão uma mulher condenada no sistema penal federal.


Conforme o Departamento de Justiça anunciou no sábado, Lisa Montgomery, que estrangulou uma mulher grávida no Missouri em 2004 antes de cortar sua barriga, remover e roubar o bebê, receberá uma injeção letal em 8 de dezembro.


A última mulher a ser executada pelo governo dos Estados Unidos foi Bonnie Heady, executada em uma câmara de gás no Missouri em 1953, de acordo com o Centro de Informações sobre Pena de Morte.


A execução federal do criminoso Brandon Bernard, que com seus cúmplices assassinou dois jovens líderes religiosos em 1999, também está marcada para dezembro.


O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, disse que os crimes pelos quais essas pessoas foram condenadas à pena de morte foram "assassinatos especialmente hediondos".


Quem é Lisa Montgomery?


Em dezembro de 2004, Montgomery dirigiu do Estado do Kansas até a casa de Bobbie Jo Stinnett, no Missouri, supostamente para comprar um cachorro.


"Uma vez dentro da residência, Montgomery atacou e estrangulou Stinnett, que estava grávida de oito meses, até que a vítima perdeu a consciência", de acordo com um comunicado de imprensa do Departamento de Justiça.


"Usando uma faca de cozinha, Montgomery cortou o abdômen de Stinnett, trazendo-a de volta à consciência. Uma luta se seguiu e Montgomery estrangulou Stinnett até a morte", acrescenta.


Montgomery então removeu o bebê do corpo de Stinnett e o sequestrou. O corpo de Stinett foi encontrado uma hora após sua morte por sua mão, que imediatamente avisou os serviços de emergência.


Montgomery foi presa em sua casa no dia seguinte graças aos avanços da computação forense — permitiram sua identificação através da análise de conversas no computador de Stinett. O bebê, de 1 dia de idade, foi entregue aos cuidados do pai.


Em 2007, um júri a considerou culpada de sequestro e assassinato e recomendou por unanimidade a pena de morte.


Os advogados de Montgomery defendiam que ela tinha distúrbios mentais devido a danos cerebrais sofridos devido a espancamentos que recebia na infância em casa — e que não deveria ser condenada a morte.


Qual é a diferença entre execuções federais e estaduais?

PUBLICIDADE

No sistema de Justiça dos Estados Unidos, os crimes podem ser julgados em tribunais federais, em nível nacional, ou em tribunais estaduais, em nível regional.


Certos crimes, como falsificação de moeda ou roubo de correspondência, são automaticamente processados em nível federal.


A pena de morte foi proibida em nível estadual e federal por uma decisão da Suprema Corte de 1972 que cancelou todos os estatutos existentes sobre a pena de morte.


Mas outra decisão da Suprema Corte de 1976 permitiu aos Estados restabelecerem a pena de morte e, em 1988, o governo aprovou uma legislação que a tornou disponível novamente em nível federal.


De acordo com dados compilados pelo Centro de Informações sobre Pena de Morte, 78 pessoas foram condenadas à morte em processos federais entre 1988 e 2018, mas apenas três foram executadas.


Em julho passado, o governo Trump retomou as execuções federais pela primeira vez em 17 anos.


As execuções de Montgomery e Bernard serão a oitava e a nona realizadas pelo governo federal neste ano.


Com informações de: BBC News Brasil.


HC Notícias
48 3191-0403
48 9 8806-3734
Rua Altamiro Guimarães, 50
88701-300 - Centro - Tubarão/SC
Hora Certa Notícias © 2019. Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia