domingo, 20 de setembro de 2020
Facebook Instagram Twitter Youtube E-mail
48 3191-0403
Tubarão
22 ºC 14 ºC
Variedades
17/05/2020 21h50

Dia Internacional de Luta contra a LGBTfobia é marcado por manifestações virtuais

As hashtags #Festival17M, #JuntosContraLGBTQfobia e #NossasVidasNossasCores tomaram as redes sociais neste domingo
Dia Internacional de Luta contra a LGBTfobia é marcado por manifestações virtuais
Neste domingo (17), comemora-se o Dia Internacional de Luta contra a LGBTfobia, uma data para celebrar a diversidade contra todos os tipos de preconceito — missão urgente no Brasil, considerado um dos países que mais discrimina e mata pessoas LGBTs no mundo. Em virtude da data, neste domingo aconteceu a Marcha Virtual contra LGBTfobia, por meio das hashtags #JuntosContraLGBTQfobia, #Festival17M e #NossasVidasNossasCores.


 

Até as 14h30, a hashtag #JuntosContraLGBTQfobia era o assunto mais comentado do Brasil, com 49 mil menções no Twitter.


A data é referência simbólica da luta pelos direitos LGBT, uma vez que coincide com o dia em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) deixou de considerar a homossexualidade como doença.


De acordo com o relatório da Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros e Intersexuais (ILGA), o Brasil ocupa o primeiro lugar nas Américas em quantidade de homicídios de pessoas LGBTs e também é o líder em assassinato de pessoas trans no mundo.

PUBLICIDADE
De acordo com dados do Grupo Gay da Bahia (GGB), a cada 19 horas, uma pessoa LGBT é morta no país. No ano passado, 445 pessoas foram assassinadas no Brasil por serem LBGTs. Segundo a Rede Trans Brasil, a cada 26 horas, aproximadamente, uma pessoa trans é assassinada no país. A expectativa de vida dessas pessoas é de 35 anos.  


As conquistas se dão aos poucos. Somente em 2018, por exemplo, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que pessoas trans podem alterar seus nomes em cartório para que seus documentos coincidam com suas identidades. A decisão, no entanto, se deu apenas por conta de um recurso de uma pessoa trans do Rio Grande do Sul contra uma decisão de primeira instância que exigia que ela fizesse cirurgia antes de mudar o próprio nome. O caso tramitou no Judiciário por cinco anos.


Edição: José Eduardo Bernardes.

Fonte: Brasil de Fato.


HC Notícias
48 3191-0403
48 9 8806-3734
Rua Altamiro Guimarães, 50
88701-300 - Centro - Tubarão/SC
Hora Certa Notícias © 2019. Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia